Home » Sem categoria » Cultivar cidades – agrologia e cultura urbanas

Cultivar cidades – agrologia e cultura urbanas

Neste blog quero falar de cultivar cidades.

As cidades não se constroem, cultivam-se, como as pessoas. A cidade pode ser um ícone de engenharia e arquitectura, mas nada crescer lá. Arar a terra poderia ser o equivalente a construir a cidade, constrói-se uma base, mas temos que saber qual e como para que aquilo que queremos semear se dê lá, e garantir que os elementos certos estão presentes e os elementos indesejados são mantidos afastados, e que há um equilíbrio no sistema, para que nasça, cresça e vingue aquilo que desejamos.

Este blog será sobre cidades, e sobre pessoas. Será sobre sustentabilidade: social, ambiental, económica. Será sobre mobilidade e acessibilidade, urbanismo, economia, sociologia, e políticas públicas (e privadas).

O que nos faz querer vir viver para a cidade? Ou o que nos leva a abandoná-la? O que leva uma empresa a instalar-se numa cidade e não noutra? O que faz de uma cidade um sítio vivo e  próspero, ou o que faz dela um sistema em falência? O que faz uma cidade rica e diversa, ou o que faz dela um espaço monótono e vulnerável?

Desde 2010 que mais de metade da população mundial vive em zonas urbanas. Mas 100 anos antes eram só 2%. O que mudou neste século? A urbanização é algo que desejamos ou algo a que somos levados a submeter-nos?

As cidades são importantes. A maior parte das pessoas vive nelas.

Lisboa, a cidade onde vivo e trabalho há 4 anos, tem cerca de 550 mil residentes. Desde os anos 70 que tem vindo a perder habitantes, foram 250 mil nos últimos 30 anos. O êxodo está a abrandar, contudo. Mas, apesar de não ser uma cidade interessante para viver, a julgar pela debandada de população, Lisboa aumenta todos os dias a sua população em 70 %, com as pessoas que para cá vêm trabalhar. Porque é que isto acontece? Que consequências tem?

É a busca por compreender e partilhar estas questões que me leva a criar este blog sobre agrologia  e cultura urbanas.

cul·ti·var
1. Preparar e cuidar a terra para que produza.
2. [Por extensão] Aplicar-se ao desenvolvimento de.
3. Dedicar-se a.

ci·da·de
1. Povoação que corresponde a uma categoria administrativa (em Portugal, superior a vila), geralmente caracterizada por um número elevado de habitantes, por elevada densidade populacional e por determinadas infra-estruturas, cuja maioria da população trabalha na indústria ou nos serviços. = URBE
2. [Por extensão] Conjunto dos habitantes dessa povoação.
4. Vida urbana, por oposição à vida no campo (ex.: ele nunca gostou da cidade).

a·gro·lo·gi·a
Conhecimento dos terrenos com relação à cultura que lhes convém.

cul·tu·ra
1. Acto, arte, modo de cultivar.
2. Lavoura.
3. Conjunto das operações necessárias para que a terra produza.
4. Vegetal cultivado.
5. Meio de conservar, aumentar e utilizar certos produtos naturais.
6. [Figurado]  Aplicação do espírito a (determinado estudo ou trabalho intelectual).
7. Instrução, saber, estudo.
8. Apuro; perfeição; cuidado.

ur·ba·no
1. Relativo à cidade.
2. [Figurado] Afável; cortês; civilizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*
*